Navegando em 'gozada'.
Exibindo 1 - 5 de 37 contos.

Trepo com minha irma desde os 15 anos

  • Publicado em 11 setembro 2013

09Oi esse é meu primeiro conto sou casado 33 anos e vou contar como começei trepar com minha irma tudo começou quando eu era muito pequeno e ficava me esfregando na minha irma e ela falava que minha rola era muito pequena ela era 5 anos mais velha e começou fuder muito cedo quando eu tava com 15 e ela com 20 eu fui ensinar ela a correr de bicicleta em uma estrada deserta e ela perguntou se minha rola ainda tava pequena eu mostrei a ela que ficou maluca com o tamanho ela disse eu nunca cumi uma tao grande e grossa deixa eu provar e caiu de boca chupou tao gostoso que quase eu gozo na sua boca ela levantou a saia e eu quase enloqueço com o tamanho da sua buceta ela deitou no chao eu puxei sua calcinha branca de lado e meti de uma vez ela deu um grito e pediu que a fudese gostoso meti tao forte que ela gozou rapido depois ela mim falou não goza dentro que eu nao quero engravidar goza no meu cuzinho eu ia realiza meu sonho de cumer a bunda dela quando ela virou eu fui enfiando devagar quando entrou tudo eu soquei com força ela gemia de dor mais pediu pra nao parar eu nao aguentei e gozei ela gozou dinovo depois fomos pra casa e fudemos muitas outras vezes e ate hoje ainda fudemos mais essa depois eu conto espero que gostem.

MINHA MÃE NA PRAIA

  • Publicado em 2 outubro 2012

Bom, a história começo a 3 semanas, quando eu viajei com a minha mãe para uma casa de praia de uma cidade no litoral do Rio de Janeiro. Eu tenho 19 anos, e minha mãe Karen, tem 36. Ela é uma bela mulher, alta, magra, pela branca, olhos azuis e cabelo lisos e negros. Ficamos na casa de um amigo de minha mãe que nos emprestou para ficar uma semana lá.

Na manhã seguinte, fomos bem cedo para uma praia bem deserta que existe na cidade, cercada por rochas imensas, um lugar bem isolado. Minha mãe ao chegar na praia, tirou a tanga, mostrando seu belo corpo vestido com um minúsculo biquíni. Estava eu vestindo minha sunga, curtindo o vai e vem das ondas. Minha mãe, aproveitando o primeiros raios de sol, deitou de bruços na tanga, expondo sua linda bunda e soltou a parte de cima do biquíni. Então, ela me chamou para passar bronzeador nas sua costas. Eu estava com estranho desejo, coisa que eu até então nunca havia sentindo por ela. Passei protetor em suas costas, e timidamente passei nas suas nádegas, pulando para as coxas. Minha mãe, reclamou: “Filho, passa direito na bunda da mamãe, se não pode ter queimaduras do sol”. Eu já estava nervoso, pois meu pau estava duro, e não queria que ela percebesse. Minhas mãos começaram a tremer. Então,

Tirei minha virgindade e virei puta arrombada

  • Publicado em 26 setembro 2012

Oi,meu nome é Luizza eu sou loira , tenho uma bunda grande , peito grande, buceta grande ou seja sou muito gostosa – eu estudo numa escola que sou desejada por todos , no começo do ano eu era uma santinha até que um dia conheçi a vitoria ( conheçida como Putinha do Onibus escolar) , eu ia pra casa andando até que me mudei a passei a ir de onibus , eu começei a ir pra casa no mesmo onibus que vitoria ( ela morava 1 rua depois da minha casa *o*) , ai eu começei a andar com ela.

Um dia fui pra casa dela a mãe dela e o pai dela tinha viajado , chegando lá nos ficamos na internet ela começou a ver filmes porno e começou a se masturbar , eu fiquei horrorizada , mais depois começei também , eu nao sabia direito entao ela veio me ensinar , depois ela pegou uns brinquedinhos e disse : hoje voce tira sua virgindade !

Punheta no Metrô

  • Publicado em 25 setembro 2012

Estava indo para o trabalho e em sentido centro na linha 2 e estratégicamente fiquei parado na porta do lado direito na primeira porta do vagão, nesse mesmo sentido, onde entra a maioria das pessoas. Do meu lado estava um carinha, moreno, cabelo de máquina, com um corpo levemente malhado e com cavanhaque, ou seja uma graça. Logo que vi pensei até que ele não gostava da “coisa”, pois já uma vez uma briga rolar dentro do vagão por causa dessas histórias e sempre fico meio apreensivo.

Comecei a perceber que o cara de vez em quando, pegava no pau e de repente ele ficou de frente para a porta e eu de costa. O Metro começou a encher e eu comecei a enconstar posicionando a minha mão ao lado da sua perna. Percebi que não houve nenhuma resistência e quando foi olhar para baixo, o cara estava com o pau todo para fora da calça, pela barriguinha. Gelei! Levei um baita susto e toda a vez que a porta fechava ele guardava.

Gostoso Peludo – conto gay

  • Publicado em 18 setembro 2012

garotoGostoso Peludo

Moro no Rio Grande do Norte, tudo começou quando eu ainda tinha meus vinte anos e passei a perceber que sentia uma certa agitação em meu organismo quando via um homem bonito, com idade maior que a minha e que fosse peludo no peito. Às vezes eu ia dormir na casa de uma tia e aproveitava para dar algumas olhadas num primo meu quando ele ia trocar de roupa, pois ele era militar e saía logo cedo. Como eu ainda estava “dormindo”, ele se trocava ali mesmo no quarto em que dormíamos. Ele tinha o peito bem peludo e eu adorava assisti-lo mesmo que fosse por poucos instantes. Passado algum tempo, eu já estava com 21 anos e estudava à tarde. Um dia precisei passar o dia na faculdade e resolvi que almoçaria ou faria um lanche por lá mesmo, foi aí que tudo começou: estava numa lanchonete, ao lado da escola, tomando um refrigerante quando chegou um cara bem distinto (pele clara, cabelo curto, barba feita, aparentando uns 23 anos – depois fiquei sabendo sua real idade era 27 – calça jeans, camisa manga longa arregaçada, braços peludos). Pediu um suco de caju e começou a conversar com a atendente sobre política. Eu adorava política, e me intrometi no assunto, sem segundas intenções. O cara fez de tudo para terminar de tomar o suco junto comigo, para que saíssemos juntos dali e assim tentar me fisgar, só que na hora eu não entendi bem as coisas.